A tão odiada Rede Globo – parte 3

Revolução dos costumes
Para muitas pessoas, a história da Globo acaba aqui. A emissora só chegou aonde chegou graças a barganhas políticas e ponto final. É aí que esses críticos quebram a cara. A Globo não se fez apenas apoiando militares e jogos. “Estamos diante de um caso de talento artístico. Nenhuma emissora do mundo domina tão bem a produção técnica em vídeo quanto a Globo. Melhor que ela, só a produção em película de Hollywood”, diz Gabriel Priolli. Hoje, não é só líder no Brasil: é a maior produtora de televisão do mundo. “Em 2004, produzimos 2 546 horas de programação, o que equivale a mais de 1 000 longas-metragens”, afirma Erlanger, da Globo. Neste momento, 62 países estão assistindo a programas que você viu meses atrás.
Foi combinando alcance nacional e capacidade técnica acima da média mundial que a Globo protagonizou a construção da identidade brasileira. E esse talento se concentrou principalmente nas novelas. Para escrevê-las, foram chamados os melhores dramaturgos. Muitos deles vieram de jornais e grupos de teatro de esquerda da década de 1960, como Benedito Ruy Barbosa, Dias Gomes e Aguinaldo Silva. “Os autores disseminaram em cadeia nacional novos estilos de vida”, diz o pesquisador Cláudio Paiva, da Universidade Federal da Paraíba. Em vez das velhas histórias da moça virgem que tinha um pai carrancudo e fora enganada por um homem, trama típica do dramalhão latino-americano, aparecem os adolescentes que transam sem culpa, o homem que chora, a mulher separada, o gay. “O Brasil tem costumes mais modernos que o restante da América Latina também porque nossas novelas são mais realistas que as mexicanas”, diz Priolli.
Em 1994, a pesquisadora Anamaria Fadul, da Universidade Metodista de São Paulo, montou a árvore genealógica de 33 novelas da Globo produzidas entre os anos 1970 e 1990. Apenas duas mostravam famílias com mais de 2 filhos. “Não se pode fazer uma relação de causa e efeito, mas ficou claro que as novelas da Globo anteciparam o modelo da família atual em 2 décadas”, diz Anamaria. “Há quase 30 anos a Rede Globo promove o reexame das relações homem e mulher”, afirma o filósofo Renato Janine Ribeiro, autor do livro O Afeto Autoritário. “Os movimentos feministas iniciaram esse questionamento, mas a rede Globo assumiu a causa e não a abandonou.” 2 produções dessa linha marcaram época:

• Dancin’ Days (1978), que mostrava a vida de Júlia (Sônia Braga), ex-presidiária que luta para retomar a vida ao lado da filha, criada pela irmã milionária.
• Malu Mulher (1979), em que Malu (Regina Duarte) é uma socióloga que decide se separar depois de ser traída pelo marido. A minissérie questionava tabus como aborto e virgindade, narrando os dramas da mulher madura que passa a ter de sustentar a filha. Malu Mulher foi sucesso na Inglaterra e na Holanda – e censurada em países da América Latina.
No caldo sem-gracinha do melodrama, também entraram pitadas de sátira, que parodiavam a política brasileira. “O Jornal Nacional mostrava políticos, em geral nordestinos, que depois de servir a todos os ditadores haviam se reciclado com a volta da democracia. Apareciam como grandes homens da República. Meia hora depois, a principal novela da mesma Globo expunha clones deles como emblemas do que há de pior em nossa sociedade”, diz Renato Janine. Você deve se lembrar de algumas dessas novelas:
• Roque Santeiro (1985), que tinha 36 capítulos gravados quando foi censurada pela ditadura, em 1975. Regravada 10 anos depois, mostrava como protagonista Sinhozinho Malta (Lima Duarte), um típico coronel nordestino.
• Que Rei Sou Eu? (1989), passada no reino de Avilan, país imaginário da Europa do século 18 que vivia crises comuns às do Brasil de 1989: inflação, planos econômicos furados, moedas que mudavam de nome. Sem falar nas falcatruas e negociatas políticas.
• O Bem-Amado (1973), onde a cidade fictícia de Sucupira era palco de diversos tipos brasileiros – não exatamente os melhores. Exemplo de como a novela transformada em minissérie retratou o país é a fala do general Golbery do Couto e Silva, braço-direito do presidente Geisel, que ao deixar o cargo de chefe da Casa Civil disse aos repórteres: “Não me perguntem nada. Acabo de deixar Sucupira”.

Meu Final Musical #8

Contrução – Chico Buarque


Chico Buarque é um gênio da música Brasileira. São música pra ouvir, entender e pensar.


Essa música é incrível!


Assim como a mãe, ela é perfeita!

Beleza


As vezes eu paro e fico observando uma pessoa, independente de sexo, religião, cor… Enfim. É estranho observar os trejeitos de uma pessoa, seus movimentos, a fala. É eu sei, sou estranho, mas sou muito observador, fico horas olhando uma mesma imagem tentando descobrir a personalidade que aquela imagem passa. As vezes me pego em contradição achando belo, o que meu “padrão de beleza” julgaria “feio”. Nada me chama mais atenção do que olhos “inocentes”, aquele tipo de olho desvendado, fácil de ler, realmente a janela da alma da pessoa. Nada define mais a beleza da pessoa pra mim do que os olhos expressivos (acho que é pelo fato de eu ter olhos extremamente “frios”, “calculistas”).

Pense, qual o seu padrão de beleza?