Finalizando

Finalizando nossa “série” segue as 4 últimos transtornos de personalidade:

Abstenção

Definição:

Padrão de desconforto social, medo de avaliação negativa e timidez que se inicia nas primeiras etapas da idade adulta.

Causas, incidência e fatores de risco:

As pessoas com distúrbios da personalidade de abstenção estabelecem relações com os outros apenas se acreditarem que não serão rejeitados. Estão sempre preocupadas com seus próprios defeitos. A perda e a rejeição são tão dolorosas que estas pessoas preferem a solidão a se arriscar em um relacionamento.

Dependente

Definição:

Incapacidade de agir sem o apoio de uma pessoa poderosa e dominante para estabelecer diretrizes.

Causas, incidência e fatores de risco:

A causa desse distúrbio é desconhecida. Parece não haver fatores biológicos. Geralmente, o distúrbio aparece no início ou no meio da vida adulta. As pessoas afetadas se julgam incapazes de tomar decisões, e acham que as outras pessoas sempre têm idéias melhores. Elas podem ficar arrasadas com separação e perdas. Para manter um relacionamento estão dispostas a tudo, inclusive a sofrer abusos.

Passivo-Agressiva

Definição:

Resistência passiva a exigências de desempenho social e ocupacional, que começa no início da fase adulta.

Causas, incidência e fatores de risco:

As pessoas com esse distúrbio recusam responsabilidades, fazendo-o não por meio de uma demonstração aberta de seus sentimentos, mas por meio de comportamentos. A procrastinação, a ineficiência e o esquecimento são os comportamentos utilizados a fim de se evitar a responsabilidade. A causa desse distúrbio é desconhecida. Fatores biológicos e genéticos não parecem ter nenhuma influência.

Obsessivo-Compulsivo

São pessoas excessivamente organizadas, temendo descuidos, desorganizações, sujeira ou qualquer outra forma de “bagunça”. Elas priorizam o correto e organizado, podendo gastar muito tempo trabalhando ou estudando, deixando de lado relacionamentos, diversão e lazer. Além disso, elas tendem a fazer seus deveres a sós porque temem que outras pessoas não vá fazer corretamente. Nos seus relacionamentos, eles podem ser um pouco distantes ou isolados e aparentar frieza emocional.

Psicopata e Limítrofe

Continuando nossa “série” vamos com mais dois distúrbios, Psicopata (claro que é uma definição básica dada aqui, e Limítrofe)

Anti-Social

Nomes alternativos:

Distúrbio de personalidade – anti-social, personalidade psicopática, personalidade sóciopática

Definição:

Padrão de comportamento irresponsável em que faltam normas éticas e morais e que coloca o indivíduo em conflito com a sociedade.

Causas, incidência e fatores de risco:

A causa desse distúrbio de personalidade é desconhecida, mas fatores biológicos ou genéticos podem ter um papel. A incidência de personalidade anti-social é mais elevada em pessoas que têm o pai ou mãe biológicos com distúrbio anti-social. Embora o diagnóstico seja limitado a pessoas com mais de 18 anos de idade, sempre existe uma história de comportamentos anti-sociais antes dos 15 anos de idade, como mentiras repetidas, comportamentos irresponsáveis, delinqüência e abuso de drogas. Na idade adulta, existe um padrão de comportamento ilícito, faltas ao trabalho e comportamentos irresponsáveis em relação à família, comportamento pessoal negligente, promiscuidade, incapacidade de manter relações duradouras e comportamento agressivo. Existe falta de ansiedade ou emoções em situações que justificam essas emoções. O charme superficial e a sagacidade podem ser qualidades muito desenvolvidas e usadas habilmente, para atingir os fins desejados. Esse distúrbio tende a ocorrer mais freqüentemente em homens e em pessoas cujo modelo de papel predominante tinha características anti-sociais.

Limítrofe

Definição:

Característica individual que reflete padrões de comportamento enraizados, inflexíveis e de má adaptação, caracterizados por atos impulsivos e imprevisíveis e instabilidade de humor e nas relações pessoais.

Causas, incidência e fatores de risco:

A causa exata do distúrbio da personalidade limítrofe é desconhecida. No entanto, várias hipóteses psicológicas se baseiam em fatores biológicos, sociais e psicológicos para entender as pessoas que sofrem deste distúrbio.

A pessoa com distúrbio da personalidade limítrofe é impulsiva em áreas que têm um potencial para autodestruição. Os relacionamentos com outras pessoas são intensos e instáveis. A pessoa faz esforços frenéticos para evitar o abandono real ou imaginário e apresenta instabilidade de humor e raiva sem motivos. Também pode haver incertezas quanto à auto-imagem, objetivos a longo prazo ou escolhas profissionais, orientação sexual, escolha de amigos e valores.

As pessoas com este distúrbio tendem a ver as coisas em termos extremos: muito boas ou muito ruins. Elas se enxergam como vítimas das circunstâncias e assumem pouca responsabilidade por si próprias ou por seus problemas. Os fatores de risco incluem abandono na infância ou adolescência, abuso sexual, desintegração familiar e comunicação familiar deficiente. Este distúrbio de personalidade está freqüentemente associado a distúrbios de personalidade esquizotípicos, histriônicos, narcisistas e anti-sociais. Tende a ser mais freqüente nas mulheres.

Opinião: Filho mais velho não pode ser responsável pelo irmão mais novo

Quando se tem o primeiro filho, apesar de tudo ser novo e em alguns momentos, assustador, o tempo disponível para a tarefa de cuidar dele é exclusivo. Mesmo assim, é bem-vinda a ajuda de alguém, pois um bebê requer muitos cuidados e, à medida que cresce, precisa ser praticamente vigiado para não se meter em nenhuma enrascada.

Por ser muito trabalhoso, ocupar-se de uma criança pequena também é cansativo. E, se no começo a mãe jura de pés juntos que será a única a trocar as fraldas daquele pequeno ser, com o passar do tempo, a maioria pede ajuda, o que é natural. Dividir os afazeres que a maternidade requer com alguém de confiança, como o pai, que tem, pouco a pouco, colaborado mais, ou uma avó ou uma babá é algo saudável. O que menos uma criança precisa é de uma mãe estressada, cansada e sem paciência para cuidar dela.

Após os primeiros anos, a criança vai se tornando mais independente. Não necessita mais de alguns cuidados: usa o banheiro sozinha, pode tomar um banho ou outro sem ajuda, brinca com amiguinhos ou apenas com seus brinquedos, e não precisa tanto da presença física dos pais para se sentir segura.

Passado o período de maior trabalho, alguns casais decidem por uma outra criança. Já sentem saudade das fraldas. O segundo chega e as coisas são diferentes. A prática faz com que geralmente os casais cuidem do segundo com uma facilidade maior. Sem contar que percebem que não são tão poderosos assim e aceitam de bom grado a ajuda possível.

Até porque, agora são dois. Mesmo o primogênito não necessitando de cuidados tão minuciosos como o bebê, ainda precisa dos pais. No entanto, às vezes surge a sensação de que aquele que chegou antes deixou de ser criança assim que o irmão nasceu. E algumas coisas que eram nele toleradas agora não são mais. Afinal, agora ele é o irmão mais velho e já está grande.

Continue reading “Opinião: Filho mais velho não pode ser responsável pelo irmão mais novo”

Opinião: Filho mais velho não pode ser responsável pelo irmão mais novo

Quando se tem o primeiro filho, apesar de tudo ser novo e em alguns momentos, assustador, o tempo disponível para a tarefa de cuidar dele é exclusivo. Mesmo assim, é bem-vinda a ajuda de alguém, pois um bebê requer muitos cuidados e, à medida que cresce, precisa ser praticamente vigiado para não se meter em nenhuma enrascada.

Por ser muito trabalhoso, ocupar-se de uma criança pequena também é cansativo. E, se no começo a mãe jura de pés juntos que será a única a trocar as fraldas daquele pequeno ser, com o passar do tempo, a maioria pede ajuda, o que é natural. Dividir os afazeres que a maternidade requer com alguém de confiança, como o pai, que tem, pouco a pouco, colaborado mais, ou uma avó ou uma babá é algo saudável. O que menos uma criança precisa é de uma mãe estressada, cansada e sem paciência para cuidar dela.

Após os primeiros anos, a criança vai se tornando mais independente. Não necessita mais de alguns cuidados: usa o banheiro sozinha, pode tomar um banho ou outro sem ajuda, brinca com amiguinhos ou apenas com seus brinquedos, e não precisa tanto da presença física dos pais para se sentir segura.

Passado o período de maior trabalho, alguns casais decidem por uma outra criança. Já sentem saudade das fraldas. O segundo chega e as coisas são diferentes. A prática faz com que geralmente os casais cuidem do segundo com uma facilidade maior. Sem contar que percebem que não são tão poderosos assim e aceitam de bom grado a ajuda possível.

Até porque, agora são dois. Mesmo o primogênito não necessitando de cuidados tão minuciosos como o bebê, ainda precisa dos pais. No entanto, às vezes surge a sensação de que aquele que chegou antes deixou de ser criança assim que o irmão nasceu. E algumas coisas que eram nele toleradas agora não são mais. Afinal, agora ele é o irmão mais velho e já está grande.

Continue reading “Opinião: Filho mais velho não pode ser responsável pelo irmão mais novo”

Histriônico e Narcisista

Calma, não estamos falando de um elemento da tabela periódica que será usada pelos Nazistas, são mais dois distúrbios psicológicos, seguindo a “série” sobre personalidade de forma simples.

Histrônico:

Definição:

É constituído por um quadro emocional excessivo, por procura de atenção, necessidade de aprovação e sedução inapropriada que geralmente começa no início da idade adulta.

Causas, incidência e fatores de risco:

A causa dessa desordem é desconhecida, mas as características hereditárias e aprendidas podem desempenhar um grande papel. Ocorre com mais freqüência em mulheres do que em homens. As pessoas com com esse distúrbio são geralmente capazes de um alto nível de atividade e normalmente são bem sucedidas socialmente e no trabalho. Elas podem procurar por tratamento para depressão quando o seu relacionamento amoroso termina. Elas ainda são incapazes de desenvolver habilidades para aceitar seus próprios problemas e por isso facilmente esquecem ou reprimem suas experiências desagradáveis. Além disso, elas costumam responsabilizar os outros pelos seus fracassos e decepções.

Narcisismo:

Nomes alternativos:

egocentrismo

Definição:

Distúrbio da personalidade caracterizado pelo amor anormal por si mesmo, pelo egocentrismo, por se concentrar muito em si mesmo e por uma incapacidade de compreender os efeitos de seu comportamento sobre as outras pessoas.

Causas, incidência e fatores de risco:

A causa deste distúrbio é desconhecida, mas uma teoria propõe que os pais das pessoas que desenvolvem este distúrbio necessitam que seus filhos sejam talentosos ou especiais, para que possam manter sua auto-estima. Este distúrbio normalmente começa no início da idade adulta. Pessoas narcisísticas são incapazes de entender a si próprias, bem como a outras pessoas, com precisão. Normalmente se sentem no direito de receber tratamento especial das outras pessoas e podem se tornar exigentes, nervosas e ser facilmente ofendidas.

Histriônico e Narcisista

Calma, não estamos falando de um elemento da tabela periódica que será usada pelos Nazistas, são mais dois distúrbios psicológicos, seguindo a “série” sobre personalidade de forma simples.

Histrônico:

Definição:

É constituído por um quadro emocional excessivo, por procura de atenção, necessidade de aprovação e sedução inapropriada que geralmente começa no início da idade adulta.

Causas, incidência e fatores de risco:

A causa dessa desordem é desconhecida, mas as características hereditárias e aprendidas podem desempenhar um grande papel. Ocorre com mais freqüência em mulheres do que em homens. As pessoas com com esse distúrbio são geralmente capazes de um alto nível de atividade e normalmente são bem sucedidas socialmente e no trabalho. Elas podem procurar por tratamento para depressão quando o seu relacionamento amoroso termina. Elas ainda são incapazes de desenvolver habilidades para aceitar seus próprios problemas e por isso facilmente esquecem ou reprimem suas experiências desagradáveis. Além disso, elas costumam responsabilizar os outros pelos seus fracassos e decepções.

Narcisismo:

Nomes alternativos:

egocentrismo

Definição:

Distúrbio da personalidade caracterizado pelo amor anormal por si mesmo, pelo egocentrismo, por se concentrar muito em si mesmo e por uma incapacidade de compreender os efeitos de seu comportamento sobre as outras pessoas.

Causas, incidência e fatores de risco:

A causa deste distúrbio é desconhecida, mas uma teoria propõe que os pais das pessoas que desenvolvem este distúrbio necessitam que seus filhos sejam talentosos ou especiais, para que possam manter sua auto-estima. Este distúrbio normalmente começa no início da idade adulta. Pessoas narcisísticas são incapazes de entender a si próprias, bem como a outras pessoas, com precisão. Normalmente se sentem no direito de receber tratamento especial das outras pessoas e podem se tornar exigentes, nervosas e ser facilmente ofendidas.

Golpe de Boletos

Vamos à utilidade pública neste Blog:

Nos últimos dois meses, milhares de brasileiros têm recebido boletos da empresa Registrar.br.com. Esta empresa picareta envia boletos a donos de domínios .com.br, na tentativa de induzir as pessoas ao erro.

Esses boletos, sendo muito parecidos com os do Registro.br, fazem as pessoas pensarem que se trata da cobrança anual do seu domínio. Com medo de perder o domínio, as pessoas pagam o boleto.

Ou, em outras palavras, são roubadas.

Escrevi um post chamado Registrar.br.com – Golpe do boleto, onde explico este golpe com grande riqueza de detalhes (o que me garantiu até algumas ameaças). Quem não leu, vale a pena conferir…

Veja a matéria completa em: http://gustavo.cardial.com.br/registrohost-com-dissecando-mafia-boletos/#

Por mais cheia de detalhes tem gente que não acredita em blogs desconhecidos, então leia o Globo: http://oglobo.globo.com/tecnologia/mat/2009/12/21/atencao-ao-golpe-do-boleto-malicioso-915300007.asp

Golpe de Boletos

Vamos à utilidade pública neste Blog:

Nos últimos dois meses, milhares de brasileiros têm recebido boletos da empresa Registrar.br.com. Esta empresa picareta envia boletos a donos de domínios .com.br, na tentativa de induzir as pessoas ao erro.

Esses boletos, sendo muito parecidos com os do Registro.br, fazem as pessoas pensarem que se trata da cobrança anual do seu domínio. Com medo de perder o domínio, as pessoas pagam o boleto.

Ou, em outras palavras, são roubadas.

Escrevi um post chamado Registrar.br.com – Golpe do boleto, onde explico este golpe com grande riqueza de detalhes (o que me garantiu até algumas ameaças). Quem não leu, vale a pena conferir…

Veja a matéria completa em: http://gustavo.cardial.com.br/registrohost-com-dissecando-mafia-boletos/#

Por mais cheia de detalhes tem gente que não acredita em blogs desconhecidos, então leia o Globo: http://oglobo.globo.com/tecnologia/mat/2009/12/21/atencao-ao-golpe-do-boleto-malicioso-915300007.asp

Paranóia e Esquizofrenia

Prosseguindo com a “série”: personalidade segue dois distúrbios:

Paranoia

Definição:

Tendência injustificada de interpretar os atos de outras pessoas como sendo deliberadamente ameaçadores ou degradantes.

Causas, incidência e fatores de risco:

As pessoas que têm um distúrbio de personalidade paranóica desconfiam de outras pessoas, e geralmente são incapazes de admitir seus próprios sentimentos negativos com relação aos outros. Elas não perdem o contato com a realidade. A causa desse distúrbio é desconhecida, mas a incidência parece ser maior em famílias nas quais haja um esquizofrênico.

Esquizofrenia

Definição:

Comportamento de indiferença ante as relações sociais, com limitação na expressão das emoções e das experiências.

Causas, incidência e fatores de risco:

As pessoas com distúrbios de personalidade esquizóide não apresentam esquizofrenia, portanto, são capazes de se manter ligadas à realidade. As pessoas com esse tipo de problema são incapazes de se relacionar com outras pessoas e são quase sempre reclusas, podem nunca casar e viver na idade adulta com seus pais. O distúrbio geralmente se manifesta no início da idade adulta.

Depois continua…

Personalidade

O que seria então Personalidade?

A personalidade é uma estrutura interna, formada por diversos fatores em interação. Não se reduz a um traço apenas, como a autodeterminação ou um valor moral. Pode ser muito ou pouco valorizada. Não importa. Uma pessoa mesmo sem valores, mal formada, com falhas morais ou limitações psicológicas, não deixa de ter personalidade porque tem uma estrutura interna, embora defeituosa.

Também, a personalidade não é a simples soma ou justaposição de elementos, mas um todo organizado e individual, produto de fatores biopsicossociais.

  • Nos fatores biológicos estão: o sistema glandular e o sistema nervoso.
  • Entre os fatores psicológicos estão: o grau e as características de inteligência, as emoções, os sentimentos, as experiências, os complexos, os condicionamentos, a cultura, a instrução, os valores e vivências humanas.
  • Nos grupos sociais, como a família,a escola, a igreja, o clube, vizinhança, processa-se a interação dos fatores sociais.

Componentes da Personalidade (Temperamento e Caráter)

Sendo a personalidade, o que distingue uma pessoa da outra, a mesma encontra-se apoiada em herança biológica e na ação ambiental.

Os fatores biológicos, principalmente o sistema glandular e o sistema nervoso determinam no indivíduo o temperamento, que é constituído de impulsos naturais. Ser agressivo ou não ser agressivo, ser irrequieto ou indolente, ser emotivo ou não emotivo, ter reações primárias ou secundárias, podem ter traços temperamentais.

Assim, o indivíduo nasce com determinado temperamento, mas fatores ambientais podem modificá-lo até certo ponto. Assim, a educação pode manter domínio e controle sobre o temperamento; a alimentação; as doenças; o clima; os acontecimentos e outros fatores causam algumas transformações nos traços temperamentais.

A vida ensina o homem a controlar ou a estimular seu temperamento. Todo tipo temperamental tem seus aspectos positivos e aspectos negativos. Conhecendo-se bem, o homem pode dominar os aspectos negativos e estimular e desenvolver os aspectos positivos. O temperamento é parte da personalidade, e, esta não se reduz àquele. A personalidade é o todo; o temperamento é um aspecto desse todo. Portanto, o temperamento é um aspecto inato, biológico da personalidade. As qualidades que estão relacionadas com o temperamento incluem entre outras, excitabilidade, irrascibilidade, impulsividade, receptividade (sensibilidade), reserva, passividade, otimismo, pessimismo,vivacidade e letargia.

O princípio e valores do homem constituem seu Caráter. Caráter é um termo que etimologicamente significa “gravar”. Mas esse conceito sofreu total evolução. Hoje, caráter significa padrão de valores da pessoa.