Último adeus

Vendo um clipe do Brian Mcknight lembrei de um assunto que me deixa sempre “preocupado”… Imagina a situação de você perder alguém e nunca mais conseguir falar com ela! Imagina não ter a oportunidade de dizer que amava aquela pessoa, que se arrependia de algo errado que você fez, ou que perdoava algo que ele fez com você!

Tendo ao máximo deixar tudo às claras. Sempre que posso tento vencer o orgulho… Alguns clipes pra ilustrar o que eu falo:
Continue reading “Último adeus”

Voltando

Faz um bom tempo que não passo por aqui. Por um lado isso é bom, pois significa que não tenho estado melancólico, mas por outro é ruim que minha criatividade abaixa…

Hoje vi um casal de jovens (como se eu fosse velho…), eu daria uns 16, 18 no máximo dentro ônibus. A menina no estilo punk rock com sua jaqueta de couro preta, olhos castanhos escuros, branca, cabelo preto e piercing no nariz, bonita, porém exalando um cheiro de álcool e com trident na boca pra tentar disfarçar. Já o garoto magrelo, mas não muito, rosto fino, cabelo loiro, não cheguei a ver a cor dos olhos, branquelo, aparentava estar embriagado, mas acho que era só disfarce pra acompanhar a menina.

Em certo ponto o banco da frente esvaziou e ele que estava sentado do meu lado passou para o banco da frente e sentou do lado dela. Os dois começaram a ouvir música compartilhando o mesmo fone. A menina como estava mais embriagada constantemente apoiava a cabeça na janela pra cochilar e toda vez o garoto ficava olhando, contemplando ela.

Era tão engraçado. Dava pra ver claramente na cara dele que ele era apaixonado por ela e que isso não era recíproco. O olhar dele pra ela ali meio adormecida era tão suplicante que deu vontade de eu falar pra ela que ele estava apaixonado por ela. Fiquei fascinado pelos dois que até esqueci o que estava lendo.

No ponto final cada um foi para seu lado e essa é mais uma das histórias rápidas de ônibus…