Pitbull

Já faz um tempo que estou querendo falar sobre isso.. Depois de ouvir uns imbecis no ponto de ônibus falando merda sobre essa raça resolvi esclarecer algumas coisas por experiência. O Pitbull, a raça Pitbull vem do cruzamento de três raças, o American Pit Bull Terrier, o American Staffordshire Terrier e o Staffordshire Bull Terrier.

O cachorro, como todo animal doméstico, segue os padrões de personalidade do lar, ou seja, ele espelha o que “ensinado” no dia-a-dia. Não é uma raça que é mais violenta ou menos violenta. O Pitbull é um cachorro extremamente ativo. Quem não tem tempo pro animal nem compre que ele vai acabar deprimido ou então ele vai acabar “descontando” a energia rasgando o sofá ou o que encontrar pela frente, assim como toda raça bagunceira faz quando pequeno. Por ser uma raça extremamente ativa, necessita de espaço para correr, recreação e cuidados veterinários. Mesmo após a idade adulta (4 anos) continua brincalhão, ao contrário de diversas raças que nessa idade “sossega”.

Vejo constantemente o emprego errôneo de que a raça é violenta, que deveria ser banida, que isso e que aquilo. Repito, o cachorro espelha aquilo que “aprende” dentro de casa. Se a casa é agitada ou se o cachorro é mal tratado, ele se tornará agressivo e será uma bomba relógio pronto a atacar. O fato de ser uma raça extremamente forte, com uma mordida equivalente a 2 toneladas no mínimo, intensifica essa idéia de violência. Porém o cachorro é como qualquer outro. Vigilante, extremamente fiel ao dono, comilão (40 kg de ração por mês) e muito carente, vive pedindo atenção.

Uma característica comum em Pit bull que ataca alguma pessoa é um dono agressivo e a orelha cortada. O Pitbull com a orelha normal já tem a audição maior que a de um cachorro normal. Ao cortar a orelha essa audição se intensifica em quase 10x, devido os sensores ficarem expostos. Então imagine-se com a audição aumentada em 10x e uma criança idiota (geralmente é criança a atacada) que fica provocando o cachorro (não venha com hipocrisia dizendo que a criança não sabe o que faz, com seus 9 anos sabe muito bem o que é provocar), jogando bombinha perto do cachorro. O cachorro tem memória, consegue muito bem guardar o cheiro do infeliz até um dia que consegue se soltar. Daí é fatal.

Eu tive uma branca/malhada que viveu conosco até os 5 anos. Infelizmente mudei para uma casa menor e não pude leva-la. Bagunceira extrema, que até cansava o pessoal de casa. Odiava gatos (mesmo) e outros cachorros. Sempre carinhosa, em dia de chuva se escondia do barulho, ou seja, uma cadela comum, devido a criação que teve.

Enfim, não julgue o cachorro e sim o infeliz que criou o pobre coitado. Observação, não é porque eu fiz esse relato que sou idiota de todo pitbull na rua eu passo a mão, nem em vira lata eu faço isso, portanto não invente e depois me culpe ¬¬

Seguem algumas imagens =)

[slideshow id=10]

Pitbull

Já faz um tempo que estou querendo falar sobre isso.. Depois de ouvir uns imbecis no ponto de ônibus falando merda sobre essa raça resolvi esclarecer algumas coisas por experiência. O Pitbull, a raça Pitbull vem do cruzamento de três raças, o American Pit Bull Terrier, o American Staffordshire Terrier e o Staffordshire Bull Terrier.

O cachorro, como todo animal doméstico, segue os padrões de personalidade do lar, ou seja, ele espelha o que “ensinado” no dia-a-dia. Não é uma raça que é mais violenta ou menos violenta. O Pitbull é um cachorro extremamente ativo. Quem não tem tempo pro animal nem compre que ele vai acabar deprimido ou então ele vai acabar “descontando” a energia rasgando o sofá ou o que encontrar pela frente, assim como toda raça bagunceira faz quando pequeno. Por ser uma raça extremamente ativa, necessita de espaço para correr, recreação e cuidados veterinários. Mesmo após a idade adulta (4 anos) continua brincalhão, ao contrário de diversas raças que nessa idade “sossega”.

Vejo constantemente o emprego errôneo de que a raça é violenta, que deveria ser banida, que isso e que aquilo. Repito, o cachorro espelha aquilo que “aprende” dentro de casa. Se a casa é agitada ou se o cachorro é mal tratado, ele se tornará agressivo e será uma bomba relógio pronto a atacar. O fato de ser uma raça extremamente forte, com uma mordida equivalente a 2 toneladas no mínimo, intensifica essa idéia de violência. Porém o cachorro é como qualquer outro. Vigilante, extremamente fiel ao dono, comilão (40 kg de ração por mês) e muito carente, vive pedindo atenção.

Uma característica comum em Pit bull que ataca alguma pessoa é um dono agressivo e a orelha cortada. O Pitbull com a orelha normal já tem a audição maior que a de um cachorro normal. Ao cortar a orelha essa audição se intensifica em quase 10x, devido os sensores ficarem expostos. Então imagine-se com a audição aumentada em 10x e uma criança idiota (geralmente é criança a atacada) que fica provocando o cachorro (não venha com hipocrisia dizendo que a criança não sabe o que faz, com seus 9 anos sabe muito bem o que é provocar), jogando bombinha perto do cachorro. O cachorro tem memória, consegue muito bem guardar o cheiro do infeliz até um dia que consegue se soltar. Daí é fatal.

Eu tive uma branca/malhada que viveu conosco até os 5 anos. Infelizmente mudei para uma casa menor e não pude leva-la. Bagunceira extrema, que até cansava o pessoal de casa. Odiava gatos (mesmo) e outros cachorros. Sempre carinhosa, em dia de chuva se escondia do barulho, ou seja, uma cadela comum, devido a criação que teve.

Enfim, não julgue o cachorro e sim o infeliz que criou o pobre coitado. Observação, não é porque eu fiz esse relato que sou idiota de todo pitbull na rua eu passo a mão, nem em vira lata eu faço isso, portanto não invente e depois me culpe ¬¬

Seguem algumas imagens =)

[slideshow id=10]

Meu Final Musical #2

1 – Don’t Speak – No Doubt (Essa foi a primeira música que eu decorei a letra, isso eu tinha uns 8,9 anos de idade assistindo a MTV, que na época era um sucesso. Hj essa música é brega rsrs)

2 – Kiss me – Sixpence None The Richer

Como se lembrar dos sonhos

Adoro a revista superinteressante, traz assuntos que a gente sempre se pergunta, mas ninguém responde. Segue mais uma.

Passo 1:


Concentre-se no que quer sonhar

Se você deseja encontrar a resposta para algum problema, fixe o pensamento nele antes de dormir. O sonho está ligado ao momento mais profundo do sono, em que nossa mente ordena o que processou durante o dia. Ao ir para a cama, aproveite para associar um lembrete ao dilema, como um Post-it ou um objeto do quarto. Ao vê-lo pela manhã, você se lembrará justamente de não se esquecer do sonho.

Continue reading “Como se lembrar dos sonhos”

“Os Guerreiros de Cristo” – 3ª parte

Apogeu e declínio

“A partir de 1150, o progresso deles é claro”, diz Knox. Para o historiador, a ordem tinha uma vantagem na bagunça que era a Terra Santa: ao contrário das grandes famílias de nobres, a morte individual de membros ou herdeiros era incapaz de destruí-la, e as batalhas vencidas não traziam reputação para um único membro, mas para toda a confraria. São vantagens, aliás, compartilhadas pelo outro grupo de monges-guerreiros da época, os hospitalários, com os quais os templários tinham de conviver na Palestina e no Ocidente. O grupo surgiu algumas décadas antes do Templo e seus propósitos iniciais eram, como o nome indica, dar assistência médica e espiritual aos peregrinos que chegavam a Jerusalém. Com o problema da insegurança, porém, ela passou a oferecer também outro serviço: escolta pelos caminhos da Palestina. De forma parecida com o Templo, foi ganhando controle de fortalezas e castelos. Não é à toa que as duas ordens tenham sido rivais e batido cabeça de vez em quando.

O dia-a-dia dos templários, a julgar pela regra da ordem, não era muito diferente do de qualquer outro monge. As normas eram duras. Havia dezenas de orações a serem pronunciadas diariamente, e datas semanais e anuais de abstinência de carne ou jejum total. Era proibido fazer a barba, caçar (leões eram permitidos), possuir mais de 3 cavalos (o grão-mestre podia ter 4) e, principalmente, ter qualquer contato com mulheres. A paranóia em relação ao sexo feminino é típica da Idade Média, mas a regra templária pega pesado. Eis o que diz: “A companhia de mulheres é uma coisa perigosa, pois por causa dela o velho Diabo tem desviado muitos do reto caminho do paraíso”. E ainda especificava as mulheres que não se devia beijar: “Viúva, moça, mãe, irmã, tia ou outra qualquer”.

Os dormitórios tinham de ficar sempre iluminados de dia ou de noite e era preciso dormir de calças e botas – supostamente para que os cavaleiros estivessem sempre prontos para sair na porrada. Mas esse detalhe também servia para impedir que eles, digamos, resolvessem contornar a falta de mulheres com aquele barbudo da cela ao lado. Em batalha, os templários eram sempre os primeiros a avançar e os últimos a recuar, e a ordem normalmente não pagava resgates caso um de seus homens fosse capturado. Na prática, isso significava quase sempre uma sentença de morte para o cavaleiroaprisionado. As punições para quem pisasse na bola eram severas: ser açoitado, posto a ferros ou obrigado a comer comida do chão, feito cachorro. Os detalhes da ordem não podiam ser comentados fora do mosteiro: ela gostava de manter segredo sobre seus planos, o que deu munição, mais tarde, para que seus inimigos afirmassem que ela praticava rituais sinistros ou imorais.

Continue reading ““Os Guerreiros de Cristo” – 3ª parte”

Amigos

Não posso deixar de comentar o final de semana que tive. Sexta e sábado foram excepcionais, junto com meus amigos de verdade (apesar de na sexta ter faltado uma ¬¬ ). Mas vai ser difícil ter um outro final de semana igual!

Obrigado a quem me proporcionou isso =)